Inter em contagem regressiva: falta menos de um mês para o adeus

Opinião

O dia oficial foi no passado 25. Mas como essa coluna sai às sextas-feiras, comemoremos hoje. Falta menos de um mês, torcedor do Inter! Aquele martírio que começou para valer no Estádio do Café em 13 de maio está próximo do fim.

Leia outras informações sobre o Inter

Passamos por altos e baixos nessa caminhada. Sustos, grandes jogos e partidas horrorosas. Mas também, agora, sabemos, que a insistência do Guto em um esquema acabou por dar certo nessa temporada. O trabalho demorou um pouco, mas engrenou. Sabemos que, apesar da matemática dizer que ainda não estejamos de volta, já vislumbramos de todas as formas a primeira divisão.

Nesse ano complicado, vimos nossas contas de outras gestões virem à tona. Soubemos que, de fato, houve muita coisa errada com a gestão do nosso Inter e de como isso afetou diretamente o futebol. Porém, vimos ainda, um clube tentando se reestruturar. Vimos as Gurias Coloradas surgirem e terem, de volta, um reconhecimento minimamente merecido.

“O futebol feminino tem muito para crescer”, acredita Geórgia Balardin

Mas voltemos ao nosso martírio da Série B. Temos dois jogos em sequência, em casa, para lotar o Beira-Rio e garantir de forma virtual, matemática, geográfica, histórica e cientifica nossa volta. Dependemos apenas de nós. Somos líderes e cumprimos nosso papel de ser o grande clube deste ingrato torneio.

Vimos a importância de D’alessandro. Vimos que Danilo Fernandes é um gigante. Vimos em Cuesta uma segurança importantíssima para uma zaga que nos últimos anos deu muito desgosto. Dourado, a cada dia, se reafirmar. Vimos Edenílson ser um motor do time. Vimos Pottker e Damião mostrarem que lá na frente podem resolver. Agora, eu quero é pensar em agregar valores a esses nomes. Agregar para que nunca mais voltemos a esse lugar.

“Tudo que acontece dentro da minha vida tem o Inter”, diz Fabiano

A contagem regressiva está aberta. Faltam 28 dias até o jogo frente ao Guarani para que finalmente possamos inflar nossos pulmões e dizer: Adeus, Série B! Até nunca mais!

Deixe uma resposta