O Inter não dorme e planejar é preciso

Opinião

Tudo começou em uma resposta do presidente Marcelo Medeiros que viralizou no Twitter. Aliado a força que o grupo de Guto Ferreira tem demonstrado, não tardou para que virasse frase dos jogadores, dos seus filhos e da torcida. Com um pé na Série A, o Inter tem que começar a pensar em 2018 e seguir sem dormir.

Nos últimos dez jogos, foram nove vitórias. Há tempos não lembro de um Inter assim. Guto achou o time. Encontrou um esquema que, nem mesmo a troca de peças faz mudar a intensidade e à vontade. Contra o América, a vitória foi muito mais na vontade que na qualidade. E time que quer ganhar algo tem que entender essa mudança. Se não der na técnica, apela para a vontade. Quem tem mais gana de vencer, vai vencer.

Veja o Memória Grenal com o General Bolívar

Agora que Guto achou o time, é deixar que ele siga trabalhando como está. A direção, que outrora estava atenta a reforços para esse ano atípico, tem que começar a planejar 2018. Buscar a manutenção de quem tem contrato mais curto, adquirir jogadores como Klaus e Edenilson e pensar em Leandro Damião. Sim, Damião. Esse centroavante cascudo que quando se traja de alvirrubro mostra algo diferente de todos os outros clubes por onde passou. De vermelho e branco Damião mostra vontade, força, raça, coragem. Pode, ainda, não ter feito tantos gols neste ano. Mas já são 94 com essa camisa. Merece crédito.

Foto: Ricardo Duarte/ Inter

E planejar o time para 2018 não significa pensar na escalação que começa o Gauchão. Planejamento a longo prazo. Quem fica até dezembro? E se alguma revelação sair? (provavelmente será preciso para aliviar o caixa) Há reposição para as posições. Um planejamento que envolva clube, direção, atletas e torcida. Renovar por renovar, pois está em um bom momento não serve. Tem que planejar. Conversar e sentir de cada uma das partes a vontade de estar com o escudo colorado ao peito.

Confira as últimas notícias sobre o Inter

Quem tiver vontade, que fique. Nosso uniforme sempre foi vermelho e branco com traços de barro e sangue. Porém a falta desse tal planejamento, nos trouxe para onde estamos hoje. E a realidade é a dura. A segunda divisão é um marco para toda história. Quem nos colocou nessa barca furada, hoje está longe do Beira-Rio, com as contas reprovadas e uma grande investigação para ver os motivos de estarmos onde estamos.


Soma-se ao planejamento da equipe atual, o caminhão de jogadores que retornam de empréstimo. Alguns deles, sabemos que não vão render no Beira-Rio. A direção já pode antecipar esses contatos e renovar empréstimos para que nem tenham de voltar para Porto Alegre. Dentro das quatro linhas, tudo parece estar encaminhado. Fora dela, 2018 já começou e planejar é preciso.

Veja o Memória Grenal com Pedro Iarley, campeão da Libertadores e do Mundo com o Inter

O vermelho e branco ferido ao fim de 2016 está redescobrindo sua força. O Beira-Rio voltou a ser nossa casa e aqui é e tem que ser muito difícil nos vencer. O Inter vai voltar porque houve planejamento em 2017. Demorou um tempo, é fato. Mas hoje a união dos atletas é inquestionável. A vibração ao fim da partida contra o América não deixa dúvidas. Medeiros, sua equipe diretiva e Guto acertaram a mão.

Assim como houve metas e planos para esse ano, dois mil e dezoito é logo ali. Agradeço se, ao virar essa página da Série B, souber que para o ano que vem, as coisas estão encaminhadas. Afinal, como disse o próprio presidente: o Inter não dorme!

Deixe uma resposta