Um turno de Guto Ferreira

Opinião

O adversário era o mesmo desta sexta, o Paysandu. Num sábado à tarde, em Belém, ao fim da primeira derrota do Inter na Série B, a diretoria se reuniu, debateu e a confirmação veio só no desembarque em Porto Alegre. Zago não era mais o treinador do time.

Leia as notícias sobre o Inter

Após alguns nomes analisados, por já conhecer o ambiente do Beira-Rio e alguns nomes da direção Guto Ferreira, que até então era técnico do Bahia, foi o escolhido. E ele completa hoje, contra esse Paysandu, um turno no comando técnico do Internacional. De lá para cá, muita coisa mudou.

Foto: Ricardo Duarte/ Inter

Antes, permita-me, leitor do Conexão GreNal, rememorar meu primeiro encontro com Guto Ferreira. Do mesmo jeito de hoje, só mais jovem, em um hall de hotel em São Gabriel, no interior do Rio Grande do Sul. Naquele dia, Guto estava sozinho, fazendo anotações e pensando em jogadas para aquele dia chuvoso e de campo embarrado. No fim, o Inter venceria o time local por 1×0, com gol de falta de Daniel Carvalho.

Lembro disso pois, desde aquele dia, via em Guto um técnico estudioso e trabalhador. E foi assim que conseguiu uniformidade ao time. Contestado no início do trabalho (inclusive por mim, que fui a favor de sua saída após a derrota para o Vila Nova), o técnico colorado buscou nas semanas cheias definir uma equipe como queria. Os acréscimos de Camilo e Damião não levarei em conta. A direção fez sua obrigação. Prospectou os atletas e deu a Guto a oportunidade de utilizá-los.

Foto: Ricardo Duarte/ Inter

Ferreira, por sua vez, tem uma mão gigantesca nas suas apostas dentro do próprio grupo. Ele trouxe Cláudio Winck do Sub-23, voltou a dar chances para Klaus, apostou em Sasha ao lado de D’Alessandro, definiu um 4-1-4-1 e, dessa forma, logrou os êxitos plantados em seus trabalhos no CT Parque Gigante.

Nesse período, Guto conseguiu fazer o Inter vencer cinco partidas consecutivas e ainda repetiu o time por partidas seguidas. Guto tem convicção do seu trabalho. O grupo, hoje, entende essa maneira de trabalhar. Há três meses, na terceira partida da Série B, o Inter tinha míseros quatro pontos em 12 disputados. Hoje, pode alcançar algo que só viu na primeira rodada: a liderança.

Foto: Ricardo Duarte/ Inter

A torcida colorada, mais uma vez, estará ao lado do clube no talvez maior público do ano no Beira-Rio. E essa torcida hoje tem confiança no trabalho do Guto. Que certamente será aplaudido novamente quando anunciado pelo sistema de som. O Inter mudou, tem um time definido, padrão de jogo. Méritos de Guto Ferreira, que em um turno, conseguiu fazer um time que a torcida colorada não via desde os tempos de Diego Aguirre.

Apesar de ter pedido sua saída, hoje não tenho vergonha de dizer: que bom que ficaste, Guto!

Deixe uma resposta