Inter: não sobre, suba!

Opinião

Foram tempos difíceis esses sete primeiros meses do ano. Um estadual irregular, mesmo que tenha alcançado a final e um primeiro turno onde o colorado demorou a dar confiança ao seu torcedor. Mas, como sempre há espaço para um clichê, posso dizer: “o tempo é o senhor de tudo.”

O Internacional montou três, quatro times. Mandou embora outros dois ou três. Rescisões, empréstimos, contratações. Na gerência, Medeiros e Melo, em campo Zago e depois Guto. Todos tentaram, de alguma forma, colocar o alvirrubro nos trilhos. Foi então que um jogo chave aconteceu. Vila Nova versus Inter, em Goiânia. Uma atuação desastrosa. Reunião de 40 minutos no pós-jogo e a decisão: Guto permaneceria. Teria os próximos dois jogos para somar pontos e mostrar evolução.

Leia mais sobre o Internacional

Inicialmente, para mim, um soco no estômago. Depois, confesso, um alento. Guto ficou, trabalhou, ganhou reforços e o futebol apareceu. O Inter finalmente começou a honrar seus investimentos e mostrar dinâmica de jogo, objetividade, qualidade. Era o fim do primeiro turno, o bom futebol precisava aparecer. E ele veio.

Daqui pra frente temos um turno inteiro pela frente. Tudo começa outra vez. Amanhã, em um Beira-Rio que irá rugir, o Inter recebe o Londrina. Dia de levar o pai ao estádio. Comemorar antecipadamente a data de quem nos fez colorado. Eu, de longe, estarei ligado. E só quero que esse futebol das últimas três rodadas continue a ser mostrado. A ideia de ter o mesmo time já mantém acesa a esperança de engatar um quarto triunfo.

Foto: Ricardo Duarte/ Inter

Depois desse sábado, serão outros dois jogos com uma semana cheia em cada para Guto aprimorar ainda mais o time. Não quero um Inter que sobre na Série B. Quero um Inter eficaz como nas últimas partidas. Um Inter que volte a primeira divisão com ideia de time e de jogo. Um Inter que jogue futebol. Que contemple essa massa vermelha e branca que nem por um segundo deixou de acreditar. Quero, nesse segundo turno, alguém que jogue por essa massa e por esse clube. Não quero sobrar. Quero subir, ver um bom futebol e colocar, de vez, um ponto final nesse pesadelo chamado Série B.

Deixe uma resposta