Chegou a hora de Renato voltar ao trabalho

Opinião

Finalmente, chegou a hora de Renato Portaluppi – o maior ídolo do Grêmio – mostrar seu trabalho e evolução como treinador do tricolor. Mas fique calmo torcedor gremista, não pense que esqueci a Copa do Brasil da temporada passada. Entretanto, irei explicar minha opinião.

Em 2016, quando a equipe de Roger Machado parecia sem prumo, andando a passos largos em direção a mais uma temporada de expectativas frustradas, Renato desembarcou no aeroporto Salgado Filho trazendo na bagagem toda sua malandragem e experiência de vestiário. Em poucas partidas, Portaluppi conseguiu arrumar a defesa tricolor que sofria com as bolas aéreas e remobilizar um grupo que parecia entregue ao conformismo. Somando o novo ambiente com o apoio incondicional das arquibancadas o resultado não poderia ser outro – Grêmio penta campeão da Copa do Brasil. O fim do jejum de 15 anos.

Foto: Lucas Uebel/ Grêmio/ Arquivo Conexão Grenal

Pois bem, passada a euforia do título, com o início de uma nova temporada, além da chegada de novos jogadores e algumas lesões importantes, chegou o momento de Renato Portaluppi mostrar serviço. Credito muito do título nacional da temporada passada ao comandante tricolor, é impossível não listá-lo como o principal responsável pelo caneco. Contudo, o Grêmio chegou ao momento mais delicado e previsível da gestão Portaluppi. O padrão Roger de jogar com aproximação, toque de bola rápido e pressão no campo do adversário sobrevive através de alguns resquícios e lampejos.

Neste momento, chegou a hora do treinador gremista ajeitar a parte tática e relembrar ou renovar o jeito de jogar. Crítico dos técnicos “estudiosos” que passam pouco tempo na Europa e são bajulados por isso, Renato vai precisar provar que conseguiu fazer o dever de casa no longo período que ficou afastado do campo e evolui taticamente com relação a ele mesmo. Em todos os seus trabalhos, Renato nunca teve como ponto forte montar esquemas táticos brilhantes e realizar treinos complexos. Contudo, o mesmo sempre deixou claro que futebol bonito é o que ganha – em sua opinião.

Foto: Lucas Uebel/ Grêmio/ Arquivo Conexão Grenal

Então chegou o momento, após três empates consecutivos e apresentando um futebol pobre, o treinador do Grêmio precisa superar os desfalques e retomar o caminho das vitórias. Claramente alguns jogadores não rendendo o esperado como nos casos de Michel, Jaílson, Pedro Rocha e, mantendo a regularidade negativa, Marcelo Oliveira. Enquanto isso, na reserva, Lincoln, Everton e Cortez aguardam uma oportunidade, além do recém chegado Gastón Fernandez.

Resolver o problema da falta de bom futebol do tricolor não é tarefa fácil, obviamente, entretanto, apesar dos desfalques, conquistar bons resultados no Gauchão é obrigação para a dupla Gre-Nal. Então está na hora de Renato Portaluppi arregaçar as mangas e provar que é capaz de reagrupar este time, da mesma forma que fez em 2016 com muita competência.

Deixe uma resposta